MENU

CNM/CUT quer trabalhadores participando das políticas industriais de mineração e aço

Debates sobre transição energética e novas oportunidades na mineração brasileira não podem ficar apenas entre governo e empresários, alerta dirigente da entidade

Publicado: 29 Fevereiro, 2024 - 11h40 | Última modificação: 29 Fevereiro, 2024 - 11h48

Escrito por: Redação CNM/CUT*

Divulgação
notice
Claudião, à esquerda, e Juarez, durante o seminário de mineração em Brasília

A CNM/CUT quer articular junto a Secretaria Nacional de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, do Ministério de Minas e Energia, a realização de um seminário que discuta as novas oportunidades na área de mineração no país levando em conta a participação dos trabalhadores do segmento e também das comunidades que vivem em torno das grandes mineradoras.

A ideia surgiu após a participação de dirigentes metalúrgicos no seminário “Mineração e transformação mineral dos minerais estratégicos para a transição energética”, realizado nos dias 21 e 22 de fevereiro, em Brasília.

Segundo o  coordenador geral dos segmentos da CNM/CUT, Juarez Estevam Ribeiro, o evento realizado em Brasília apresentou propostas importantes para o setor, porém teve um olhar voltado apenas para empresariado e governo.

“É essencial articular a presença dos trabalhadores e das comunidades que moram nas áreas de mineração dentro do debate sobre o segmento, pois são os principais afetados na cadeia produtiva da mineração”, alerta Juarez.

Novo programa

Na abertura do evento, o ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira, anunciou a criação do programa “Mineração para Energia Limpa”, que terá o objetivo de desenvolver a indústria de transformação mineral e fortalecer o conhecimento geológico e as pesquisas na área.

Alexandre acredita que existe uma janela de oportunidades única para a mineração brasileira, por causa da busca por novas fontes energéticas em todo o mundo “Não existe transição energética sem mineração. E essa mineração precisa avançar ainda mais no processo de mudança. No cenário global de descarbonização e da transição energética, temos uma grande oportunidade para atrair investimentos no setor brasileiro e destacar nosso papel de liderança global para um mundo mais verde”, destaca o ministro.

Para o presidente da IndustriALL Brasil, Aroaldo Oliveira da Silva, o programa anunciado pelo Ministério de Minas e Energia trará diretrizes claras, medidas ambientalmente responsáveis e socialmente conscientes para o desenvolvimento do setor de mineração.

“Precisamos agregar valor à mineração brasileira. Temos a oportunidade única de reorganizar a cadeia produtiva para uma descarbonização, agregar valor por lítio, nióbio, grafite, que são minerais estratégicos, e ter uma indústria de bateria”, afirma Aroaldo.

DivulgaçãoDivulgação
Aroaldo, Juarez e Claudião durante encontro com Alckmin

Outras agendas

Ainda em Brasília, os dirigentes metalúrgicos também se encontraram com o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin, onde conversaram sobre os desafios do governo federal para 2024 e a nova política industrial brasileira, anunciada recentemente. Outra visita foi realizada ao ministro do Trabalho, Luiz Marinho.

Além de Juarez, representando a CNM/CUT, e Aroaldo, pela IndustriALL-Brasil, fez parte da comitiva o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté (SP), Cláudio Batista, o Claudião.

*Com informações do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, IndustriALL Brasil e Ministério de Minas e Energia