MENU

Coletivo de Mulheres da FEM-CUT/SP se reúne para planejar ações de 2024

Encontro aconteceu nesta quinta-feira, 1º, em São Carlos; dirigentes definiram calendário de lutas

Publicado: 02 Fevereiro, 2024 - 11h17 | Última modificação: 02 Fevereiro, 2024 - 11h19

Escrito por: FEM-CUT/SP

ERIKA CRISTINA / METALÚRGICOS DE SÃO CARLOS
notice

O Coletivo de Mulheres da Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM-CUT/SP) se reuniu nesta quinta-feira, 1º, para dar início à organização dos trabalhos para 2024. O encontro aconteceu no Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos.

A secretária da Mulher Trabalhadora da FEM-CUT/SP, Ceres Lucena, explica que a atividade é fundamental para direcionar as ações das dirigentes. “Temos inúmeros desafios, no local de trabalho e na sociedade, que só podem ser superados se tivermos organizadas e prontas para lutar”, destaca ela.

A reunião contou com a participação de mulheres do Sindicato Rural de Boa Esperança do Sul, que falaram das dificuldades e também das vitórias e conquistas.

No encontro, as dirigentes definiram o calendário de atividades ao longo do ano, que contará com um amplo planejamento, a ser realizado no início de março. Elas pontuaram ainda as ações para o Dia da Mulher, que deve ter atividade em São Paulo e trabalhos nos sindicatos filiados à FEM-CUT/SP.

Para Ceres, a reunião foi produtiva e demonstra o comprometimento das sindicalistas. “Estamos prontas para mais um ano de muito trabalho. Vamos avançar a cada dia nas pautas das mulheres porque quando uma mulher progride, a sociedade progride junto”.

O secretário-geral da FEM-CUT/SP, Max Pinho, enfatiza que a organização das metalúrgicas é importante para toda a categoria. “O Coletivo de Mulheres cumpre esse papel essencial de organizar a luta das companheiras e esse encontro, logo no começo do ano, é fundamental para avançar na luta por direitos”.

Ele ainda lembra que a Federação conta com diversos coletivos, que atuam diretamente com segmentos específicos, tanto para a categoria metalúrgica quanto para sociedade. “Nossa entidade está organizada para pensar e lutar pelos metalúrgicos e metalúrgicas e também pela classe trabalhadora, levando em consideração a diversidade e a pluralidade”, finaliza Max.