MENU

FEM-CUT/SP comemora 32 anos de lutas e conquistas

Para marcar data, um evento será realizado no Instituto Cajamar, com a presença de importantes lideranças sindicais e entidades parceiras

Publicado: 16 Fevereiro, 2024 - 18h07 | Última modificação: 16 Fevereiro, 2024 - 18h31

Escrito por: FEM/CUT-SP

notice

A Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM-CUT/SP) comemora 32 anos de existência nesta sexta-feira, dia 16 de fevereiro. Para marcar a data, um evento será realizado no Instituto Cajamar com a presença de importantes lideranças que passaram pela entidade, dos sindicatos filiados e de outras entidades sindicais.

O sindicalista Carlos Grana, primeiro presidente da FEM-CUT/SP, é uma das presenças confirmadas. Ele vai apresentar um histórico e abordar a importância da entidade ao longo dos anos.

Já o deputado estadual Teonílio Barba (PT) fará uma análise de conjuntura sobre o papel da Federação na vida dos trabalhadores metalúrgicos e também da sociedade no Estado de São Paulo.

O evento também terá a presença da atual diretoria da FEM-CUT/SP, eleita no 9º congresso da entidade, representantes dos 13 sindicatos filiados e de instâncias e entidades parceiras como CUT, CNM e TID Brasil. Além disso, as mulheres serão destaque na comemoração, com a participação das dirigentes das entidades sindicais filiadas e do Coletivo de Mulheres da Federação.

Os ex-presidentes da FEM-CUT/SP também farão parte do evento, com mensagem gravadas destacando a importância e o histórico de lutas e conquistas da entidade.

Para Erick Silva, atual presidente da Federação, a data tem o objetivo de resgatar a importância da entidade. “São 32 anos de lutas e conquistas que fizeram muita diferença na vida da categoria. Por isso, essa atividade traz esse momento de enaltecer a FEM e os dirigentes que fizeram parte da sua história ao longo dos anos”.

Max Pinho, secretário-geral da FEM-CUT/SP, destaca que o espaço da comemoração é bastante simbólico e representa os anseios da luta sindical.

“O Instituto Cajamar foi responsável por formar as maiores lideranças do Brasil, como Lula, José Dirceu, José Genoíno, Gilberto de Carvalho e Paulo Freire. São nomes que lutaram e lutam por um país mais igual, com emprego e renda para a população. Por isso, comemorar os 32 anos da FEM nesse espaço tem essa força, esse peso de mostrar qual o nosso objetivo, nosso papel”.