MENU

FEM-CUT/SP participa de ato pela redução de jornada na Mercedes-Benz em Juiz de Fora

Entidade foi representada pelo secretário-geral da entidade, Max Pinho, na manifestação realizada na manhã desta terça-feira (18)

Publicado: 18 Junho, 2024 - 12h59 | Última modificação: 20 Junho, 2024 - 17h22

Escrito por: FEM-CUT/SP

notice

O secretário-geral da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT-SP (FEM-CUT/SP), Max Pinho, participou de um ato pela redução de jornada sem redução de salário na Mercedes-Benz na manhã desta terça-feira (18). A manifestação teve o objetivo de cobrar a implantação de 40 horas semanais de trabalho, a exemplo do que acontece em todas as outras unidades da empresa no Brasil.

O ato foi organizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora e Região, pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT) e pela Federação Estadual dos Metalúrgicos de Minas Gerais (FEM-CUT/MG). O secretário de Relações Internacionais da CNM/CUT, Maicon Michel Vasconcelos, também esteve presente. Ele e Max são trabalhadores da Mercedes.

Max lembrou que, em 1988, com a criação da Constituição Brasileira, a jornada de trabalho foi reduzida de 48h para 44h. Segundo ele, com as mudanças ao longo desses 36 anos, é hora de pautar o tema para se adequar à nova realidade do mercado de trabalho. “O movimento sindical está fazendo sua parte, levantando esse tema, indo em todas as frentes para defender a redução da jornada de trabalho”.

O sindicalista enfatizou que para que a redução de jornada seja conquistada na Mercedes MG, não basta apenas só ser só vontade e bandeira do sindicato.

“Tem que ser pauta e vontade de vocês trabalhadores do chão de fábrica. Levantar e discutir esse tema dentro e fora da fábrica, falar da importância e o porquê é possível, hoje, reduzir a jornada. A Mercedes não tem argumento porque já pratica a jornada de 40 horas semanais em São Bernardo do Campo e ela não tem prejuízo por conta disso”.

Max ainda destacou que com a jornada reduzida, a empresa consegue produzir mais, manter os postos de trabalho e, em muitos casos, gerar novos empregos.

O dirigente sindical também participou de uma roda de conversa sobre o tema com os diretos dos sindicatos de Juiz de Fora e Contagem.

Campanha Salarial 2024

A Campanha Salarial 2024 dos metalúrgicos da FEM-CUT/SP tem a redução de jornada como uma das principais bandeiras de negociação com as bancadas patronais.

Para Max, o tema é fundamental, uma vez que a jornada reduzida já é uma realidade em diversas empresas metalúrgicas da base da entidade.

“Com muita luta e dedicação, os sindicatos filiados à FEM-CUT/SP já conquistaram a redução de jornada em diversas fábricas no Estado de São Paulo. Isso mantém os postos de trabalho, garante mais tempo para o trabalho e gera mais empregos. Conquistas como esta precisam chegar a toda categoria”, defende o dirigente sindical.