MENU

Metalúrgicos do ABC reforçam proteção de dados dos sócios, com base na LGPD

Além de investir em sistemas de controle para garantir mais segurança aos trabalhadores, Sindicato também cobrará adequação à Lei das empresas da base

Publicado: 12 Novembro, 2021 - 19h04 | Última modificação: 12 Novembro, 2021 - 19h07

Escrito por: Redação SMABC

Adonis Guerra/ SMABC
notice

Os Metalúrgicos do ABC estão adequados à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), de 2018, que regulamenta o uso e tratamento de dados pessoais para proteger contra vazamentos e uso indevido. Com o intuito de dar ainda mais segurança aos seus sócios, o Sindicato investiu em sistemas de controle e também cobrará das empresas da base que a lei seja implementada.

O assunto foi debatido ontem durante reunião da direção plena. O diretor administrativo do Sindicato, Wellington Messias Damasceno, destacou que a proteção dos dados pessoais é prioridade.

“Estamos modernizando nossos meios de controle, investindo em sistemas de segurança como prioridade, trata-se de responsabilidade e cuidado com as informações dos nossos sócios. Aqui os dados estão protegidos. Essa legislação é muito nova, mas este Sindicato sempre esteve à frente de moldar o debate à necessidade dos trabalhadores”.

O dirigente ressaltou ainda que as empresas serão cobradas sobre a importância de se adequar à LGPD. “Queremos avançar também na regulação do que as empresas fazem com os dados, cobrar responsabilidade. Sabemos muitas empresas não têm tido o cuidado com a proteção dessas informações”.

Base de dados

Durante a reunião, o advogado João Vicente Caixa d’ Água, ex-metalúrgico do ABC, detalhou como as empresas utilizam as bases de dados e lembrou que atualmente eles vão muito além de nome, endereço e telefone e que são um poderoso instrumento para a busca de consumidores.

“Durante muito tempo a propaganda utilizava desses dados mandando um panfleto ou até mesmo fazendo um telefonema. Com o passar do tempo, isso foi se aprimorando, com o advento da internet essa propaganda foi mais longe.  Hoje, além de querer atrair nossa atenção, querem ganhar o coração dos internautas”.

“A mineração de dados é feita através das grandes empresas de tecnologia, como Google, Amazon, Apple e Facebook. Temos uma base de dados gigantesca, e a navegação, utilizando esses meios, faz com que as empresas saibam o que te interessa, o que você curte, o que você compra, e a partir disso eles criam as bases de dados”, detalhou.

Alerta sobre o uso de dados nas eleições

O advogado também explicou como, a partir desses dados, a comunicação é direcionada nas eleições, por exemplo. “A comunicação bolsonarista não investe só nessas ferramentas, mas também constrói algumas bolhas. Nós não recebemos determinadas propagandas, mas chega para o eleitorado dele. O cara que gosta de arma vai receber uma propaganda direcionada para isso, já o que é contra o aborto vai receber outra que lhe agrade”.

“Esse nível de comunicação levou o mundo a dois exemplos que acenderam uma luz de alerta sobre o uso de dados. Um deles foi o Brexit, feito através de análise de dados do Facebook e construído com um discurso exatamente como aquelas pessoas queriam ouvir. Outro caso foi a eleição de Trump (EUA), que também utilizou de dados para fazer a sua campanha, falando exatamente o que os eleitores queriam ouvir”.