MENU

Metalúrgicos gaúchos debatem estratégia da campanha salarial

"A nossa campanha salarial terá muita mobilização e isso nasce da estratégia que debatemos aqui", declarou o presidente da FTM-RS, Lírio Segalla

Publicado: 29 Fevereiro, 2024 - 17h38 | Última modificação: 29 Fevereiro, 2024 - 17h45

Escrito por: FTM-RS

Renata Machado (FTM-RS)
notice

Dezenas de dirigentes sindicais de todas as regiões do estado participaram da reunião do Conselho de Sindicatos da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do RS (FTM-RS), na manhã desta quinta-feira (29). A estratégia da campanha salarial 2024/2025 foi o principal ponto de pauta da atividade que lotou o auditório da FETAR-RS, em Porto Alegre.

"A nossa campanha salarial terá muita mobilização e isso nasce da estratégia que debatemos aqui", declarou o presidente da FTM-RS, Lírio Segalla ao iniciar o encontro. Ao abordar a construção de uma campanha salarial unificada com os trabalhadores do ramo da alimentação e construção civil, que integram o Macrossetor da CUT-RS, Lírio ressaltou a organicidade do ramo metalúrgico.

O dirigente defendeu, ainda, que é necessário ter uma radiografia do setor e deu como exemplo a situação das máquinas agrícolas, que tem diversas empresas em lay-off. "Essa medida é mesmo necessária? Tem máquinas estrangeiras entrando no mercado?", questionou. "Por isso, esse ano, o desafio é envolver o maior número de pessoas. Precisamos estar unidos e muito mobilizados para enfrentar a agenda pesada dos patrões."

O assessor jurídico da Federação, Lauro Magnago recordou que muitas vezes as campanhas salariais lutam “apenas” para não ter retirada de direitos. "São muitos os empecilhos criados pela patronal. E vamos enfrentar uma campanha salarial em meio ao um país que está se reestruturando", ponderou o advogado do escritório Woida, Magnago, Skrebsky, Colla & Advogados Associados.

Ele também lembrou que, em anos anteriores, o movimento sindical não conseguiu incluir os trabalhadores na discussão política. "São debates importantes e talvez até mais que o econômico, pois muitas vezes o índice da inflação engana os trabalhadores. Uma inflação alta, por exemplo, acumula muitas perdas e a base não se dá conta disso”, ponderou.

As advogadas Fernanda Livi e Juliane Durão, também da assessoria jurídica, acompanharam a reunião.

Mulheres

A construção e a importância do Coletivo de Mulheres Gabi foram abordados pela vice-presidente da FTM-RS, Eliane Morfan, que enumerou as principais pautas das trabalhadoras para as negociações. "Temos inúmeros desafios na sociedade e não chão de fábrica e o nosso Coletivo fortalece os sindicatos, ao dar condições das mulheres se inserirem nas entidades e nestes debates", afirmou ela.

Representatividade

Na abertura da atividade, o presidente da CNM/CUT, Loricardo de Oliveira falou da importância de o governo considerara as demandas dos trabalhadores e destacou as articulações com o governo federal, principalmente na retomada da indústria naval. "Precisamos de todos para discutir esse tema e não corrermos o risco de termos uma política industrial que não nos representa. Temos a oportunidade de fazer a nossa pauta girar e é importante usarmos a campanha salarial que tem debates importantes, como o do piso salarial e a redução da jornada para 40 horas, para isso também", disse ele.

O presidente da CUT-RS, Amarildo Cenci falou das dificuldades das negociações nos mais diversos setores e garantiu que “temos presente que não haverá reconstrução do país sem a participação da classe trabalhadora." Entre os eixos políticos que estão norteando as ações da Central, como a democracia, reforma tributária, aposentados, valorização do setor público, Amarildo destacou o trabalho decente, que engloba a discussão do desenvolvimento industrial, salário digno e valorização dos sindicatos.

Encaminhamentos

Por fim, o secretário de Finanças da Federação, Milton Viário, afirmou que esta foi uma das maiores reuniões do Conselho dos últimos anos. "Precisamos ter objetivos políticos e crescer como movimento sindical, fortalecer a mobilização e estreitar as relações com a base", defendeu o dirigente ao falar da campanha salarial.

De acordo com Milton, a Federação vai se guiar pela estratégia da CUT-RS na ação unificada com o Macrossetor e nas demais agendas. Encontros nas regionais, com dirigentes e trabalhadores da base, elaboração de material, fortalecimento da comunicação e muita mobilização estão previstos para o próximo período.

No dia 21 de março será realizada a plenária estadual da FTM-RS, no auditório da CUT-RS.